11/09/2021 10h40 - Atualizado em 11/09/2021 10h41

Vídeo: Biólogo de SC anda com serpente enrolada no pescoço

Christian Raboch surpreendeu ao postar vídeo andando com uma serpente enrolada no pescoço em Jaraguá do Sul

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
Cachecol? Não. É cobra mesmo: Christian Raboch é biólogo da Fujama em Jaraguá do Sul (Foto: Reprodução vídeo / Divulgação)

Cachecol? Não. É cobra mesmo: Christian Raboch é biólogo da Fujama em Jaraguá do Sul (Foto: Reprodução vídeo / Divulgação)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

CLIQUE AQUI

 

O destemido e protetor dos animais Christian Raboch, biólogo da Fujama (Fundação Jaraguaense de Meio Ambiente), de Jaraguá do Sul, surpreendeu com mais um vídeo postado em suas redes sociais.

 

Nesta quinta-feira (09), ele decidiu visitar um amigo e levou junto sua jiboia de estimação: a Floki. Christian havia prometido mostrar a serpente ao filho do amigo.

 

Só que a serpente não estava em um terrario para cobras como se imaginaria. Ela estava enrolada no pescoço de Christian. Sim, o biólogo levou a jiboia enrolada no pescoço. Está certo que foram poucos metros andando com a cobra no pescoço, do carro até a loja do amigo, mas ainda assim causou certa tensão.

 

Embora não tenha veneno, o especialista não recomenda que as pessoas façam isso.

 

Se for uma serpente muito grande, como ela é muito forte, pode matar por constrição, apertando a vítima. Se colocar no pescoço, ela pode apertar muito forte a pessoa pode desmaiar”, alerta.

 

Nas redes sociais, Christian até brincou dizendo que a jiboia Floki era seu “cachecol”.

 

Floki é uma jiboia BCC (Boa constrictor constrictor) legalizada comprada por Christian e mantida em um terrario em sua casa. Ele costuma chamar a jiboia de pet.

 

Veja o vídeo:

 

 

Christian Raboch, conhecido como “O Homem da Cobra”, é formado em Ciências Biológicas e, além de trabalhar com resgate de animais, atua na  conscientização ambiental dando palestras.

 

O amor pelos animais vem desde criança. “Meu vô tinha sítio e eu tinha muito contato com bichos. Com dez anos, eu já cuidava de passarinhos que caíam do ninho de toda a vizinhança. Desde pequeno, havia algo que me aproximava dos animais”, conta o biólogo.
 

Embora as cobras e os gambás sejam as espécies resgatadas com mais frequência na Fujama, muitos outros animais já passaram pelas mãos de Christian. É o caso de um gato-maracajá, que está ameaçado de extinção e foi devolvido ao seu habitat natural pelos biólogos da equipe.


FONTE: ND+

SIGA AS REDES SOCIAIS DA RÁDIO EDUCADORA: INSTAGRAMFACEBOOK YOUTUBE.

 

PUBLICIDADE
Anderle Telhas e Acessórios