Rui Car
20/12/2021 14h43

“Cometa de Natal” faz sua última aparição no sistema solar da Terra

O apóstolo Judas Tadeu pode ter descrito cometas quando mencionou as “estrelas errantes” no Novo Testamento

Assistência Familiar Alto Vale
Imagem do cometa C/2021 A1 (Leonard) tirada no Observatório do Monte Lemmon (Foto: Adam Block)

Imagem do cometa C/2021 A1 (Leonard) tirada no Observatório do Monte Lemmon (Foto: Adam Block)

Delta Ativa

O cometa Leonard, também chamado de “cometa de Natal”, está fazendo uma última visita à órbita da Terra este mês, antes de deixar o Sistema Solar para sempre.

 

Batizado de C/2021 A1, o cometa foi descoberto em 3 de janeiro de 2021 pelo astrônomo Gregory J. Leonard, no Observatório do Monte Lemmon, no Arizona (EUA).

 

O cometa Leonard tem uma trajetória hiperbólica, ou seja, ele cruzará o Sistema Solar uma única vez e nunca mais voltará. Portanto, há apenas uma chance de vê-lo.

 

Uma característica específica do cometa Leonard é sua velocidade — cerca de 70 km por segundo. Devido a essa velocidade, a posição do cometa no céu muda a cada dia quando é observado da Terra.

 

O cometa ficou mais próximo da Terra e foi melhor em 12 de dezembro, especialmente no hemisfério norte. Na segunda metade de dezembro, o cometa se moverá para o hemisfério sul. 

 

No dia de Natal, 25 de dezembro, o cometa Leonard poderá ser visível no Brasil e países da América do Sul onde houver céu claro. O uso de binóculos pode tornar mais fácil sua visualização.

 

O cometa Leonard tem uma órbita de 80 mil anos — isso significa que sua próxima passagem pela Terra seria daqui a 80 mil anos. 

 

Esta é a última vez que veremos o cometa”, disse Leonard. “Ele está acelerando em velocidade de escape, 70 quilômetros por segundo. Depois de seu estilingue ao redor do Sol, ele será ejetado de nosso Sistema Solar e pode tropeçar em outro sistema estelar daqui a milhões de anos.”

 

Cometa na Bíblia

 

O apóstolo Judas Tadeu pode ter descrito cometas quando mencionou as “estrelas errantes” no Novo Testamento, de acordo com o geólogo Steven Austin, pesquisador do Institute for Creation Research, um dos maiores grupos criacionistas dos EUA.

 

Quando Judas se refere a falsos mestres, ele os compara, entre outras coisas, a ‘estrelas errantes, para as quais estão reservadas para sempre as mais densas trevas’ (Judas 1.13). Por ‘estrelas errantes’, Judas pode estar descrevendo o que conhecemos hoje como cometas”, explicou em um artigo.

 

Austin destaca ainda que “esta é provavelmente a única referência na Bíblia que poderia ser aplicada aos cometas”, e que a falta de menção aos cometas pode ser intencional.

 

A analogia é evidente: assim como um falso mestre às vezes aparece como ‘um anjo de luz’ (2 Coríntios 11:14), um cometa próximo ao Sol tem uma cauda brilhante de gás emanando de sua cabeça gelada, que é iluminada pelo Sol. A proximidade de um cometa ao Sol é apenas temporária, pois o cometa logo parte para uma região remota do sistema solar onde a luz reduzida do sol não pode vaporizar sua massa gelada. Um cometa distante do sol é invisível até mesmo para o telescópio mais poderoso e pode ser descrito como algo que habita nas ‘mais densas trevas’”, explica.

Fonte: Guiame
Anderle Telhas e Acessórios