Rui Car
03/03/2022 10h41

Flor rara desaparecida há 70 anos é encontrada em cachoeira de Rio do Sul

Nicotiana azambujae foi observada em outubro na Cachoeira da Magia

Assistência Familiar Alto Vale
Foto: Luís Adriano Funez / Arquivo pessoal

Foto: Luís Adriano Funez / Arquivo pessoal

Delta Ativa

A Nicotiana azambujae, que ficou mais de 70 anos “desaparecida”, pode ser reintroduzida ao meio ambiente em Santa Catarina e pesquisadores que atuam na área de botânica estudam como fazer isso, segundo informações do G1 SC. 

A flor que tem cerca de 30 centímetros foi fotografada na Cachoeira da Magia, em Rio do Sul. O registro foi feito em outubro do ano passado, mas um mês depois de ter sido reencontrada, as plantas morreram e não foram mais vistas na área.   

 

A planta era apenas conhecida por uma única amostra datada de 1948, colhida em Brusque e já fazia 73 anos que ninguém a tinha visto. Como já foram feitas várias buscas do tipo na localidade, se acreditava que estava extinta“, disse o biólogo mestre em botânica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e consultor em curadoria do Herbário Barbosa Rodrigues em Itajaí Luís Adriano Funez, em entrevista ao G1 SC. 

 

A planta pode ter substâncias ativas importantes para a indústria ou para a medicina. De acordo com Funez, a Nicotiana azambujae foi “redescoberta” no projeto “Biodiversidade do Alto vale do Itajaí”. 

 

Durante o trabalho, cinco capsulas de plantas diferentes foram colhidas com aproximadamente 500 sementes que viraram mudas no Horto Florestal da Universidade para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí (Unidavi). Na segunda visita, as plantas não foram encontradas mais na área.

Felizmente as mudinhas cresceram muito bem e já estão até produzindo novas sementes, o que deve garantir um futuro a essa espécie“, explica Funez.

 

Para que a espécie seja reintroduzida na natureza, o biólogo diz que é preciso ampliar a pesquisa para entender melhor a biologia da planta. 

 

Também podemos pensar em curto prazo a reintrodução da espécie na natureza, uma vez que elas se mostraram muito prolíferas, o que é muito contraditório para uma espécie que ficou 73 desaparecida“, afirma. 

 
Nicotiana azambujae

Espécie ficou mais de 70 anos sem ser vista (Foto: Luís Adriano Funez / Arquivo pessoal)

Fonte: Anaísa Catucci / Jornal de Santa Catarina / NSC Total
Anderle Telhas e Acessórios