Rui Car
08/08/2022 10h05

História em quadrinhos publicada por catarinense recebe reconhecimento do Governo da Itália

Livro que fala sobre a colonização italiana em Santa Catarina também foi citado por três revistas da Europa

Assistência Familiar Alto Vale
Fotos: Divulgação

Fotos: Divulgação

Delta Ativa

Uma ilustradora de Concórdia, no Meio-Oeste, ganhou um reconhecimento do governo de Vêneto, uma região da Itália, após publicar uma história em quadrinhos sobre a chegada dos imigrantes a Santa Catarina.

 

Cidiane Guisso lançou “I Fiołi de Ła Nostra Tera” (“Os Filhos da Nossa Terra”, em português) em 2020, durante a pandemia. A obra atravessou o Atlântico e chegou até a Itália. Além da carta do governo, a história em quadrinhos da catarinense foi citada em três revistas italianas, nas cidades de Treviso, Vicensa e Belluno.

 

Ilustradora desenha desde a infância e é apaixonada pela cultura italiana – Foto: Divulgação/ND

 

Recebi a carta do governo por e-mail. Eu tremi, chorei, não conseguia acreditar. Senti que realmente estava no caminho certo!”, lembra Cidiane. Uma amiga da ilustradora foi a responsável por levar o livro até a Itália.

 

O livro de 92 páginas acompanha uma família de seis colonos italianos que vieram ao Brasil no século XVIII em busca de melhores condições de vida. A ilustradora aborda questões culturais, linguísticas e históricas, para mostrar como era a rotina dos imigrantes naquela época.

 

As pessoas de mais idade vêm e me falam que era exatamente assim a vida delas. Elas pedem que eu continue com esse trabalho, para mostrar para as próximas gerações como viviam nossos antepassados”, conta Cidiane.

 

Revistas italianas publicaram reportagens sobre a história da catarinense – Foto: Divulgação/ND

 

O livro foi vendido para secretarias de Educação de várias cidades catarinenses. Cidiane também visita escolas de Concórdia para conversar com as crianças sobre a cultura italiana.

 

Quando eu converso com os alunos, eles começam a questionar como era a vida dessas pessoas no passado. A arte é uma maneira lúdica, alegre e divertida de ensinar sobre a imigração”, conta.

 

Um amor que vem da infância

 

Cidiane ganhou o primeiro caderno de desenho quando tinha seis anos e nunca mais parou de desenhar. No aniversário de dez anos, os pais a presentearam com um gibi. Neste momento ela descobriu o que gostaria de fazer no futuro: escrever histórias em quadrinhos.

 

Ela se formou em Design e começou a pensar na ideia do livro em 2011, quando criou os primeiros personagens. Em 2015, começou a colocar o projeto em prática, mas por conta da falta de apoio e recursos, só conseguiu lançar a obra em 2020.

 

A catarinense desenvolveu todo o livro sozinha. Fez pesquisas, conversou com descendentes de italianos, inclusive com os próprios avós, ilustrou e escreveu toda a história e editou o texto. Todo o esforço é fruto do amor que a ilustradora sente pela cultura italiana.

 

É algo que está em mim e eu preciso contribuir para passar o conhecimento, porque a grande maioria das pessoas não sabe que seus antepassados vieram da região de Vêneto, que tem características muito próprias. Esse passado não pode se perder”, afirma.

 

Próximos passos

 

I Fiołi de Ła Nostra Tera” foi apenas a primeira realização da cartunista. O sucesso da história a inspirou a continuar pesquisando e investindo no trabalho. “Estou desenvolvendo a segunda edição. Hoje tenho mais conhecimento e ainda há muito mais para ser contado”, diz.

 

O sonho de Cidiane é conhecer a região que inspirou sua primeira história em quadrinhos. A viagem deve acontecer em breve.

 

Fonte: Pâmela Schreiner / ND+
Anderle Telhas e Acessórios