16/09/2021 16h54

Homem trans vence mulher no MMA e gera críticas: “Injusto e repugnante”

Alana McLaughlin é a segunda pessoa identificada como trans a competir no MMA feminino

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
McLaughlin [à direita] após vitória na competição do MMA derrotando Celine Provost - à esquerda (Foto: Reprodução / Combate Global)

McLaughlin [à direita] após vitória na competição do MMA derrotando Celine Provost - à esquerda (Foto: Reprodução / Combate Global)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

CLIQUE AQUI

 

Celine Provost é uma mulher de 32 anos com mais de uma década de experiência em competições de MMA. Na sexta-feira (10), ela perdeu a luta para Alana McLaughlin, um veterano do Exército de 38 anos que passou seis anos servindo nas forças armadas dos EUA como homem.

 

Alana McLaughlin passou a se identificar como trans e foi autorizada a lutar com Provost.

 

Usando um estrangulamento para derrotar a oponente Celine Provost, McLaughlin venceu o combate com 3 minutos e 32 segundos.

 

Alana McLaughlin bloqueia a adversária Celine Provost em um estrangulamento durante a luta de MMA. (Foto: Reprodução / YouTube / MMA Pluse)

Piers Morgan escreveu um artigo de opinião publicado pelo The Daily Mail sobre a partida pelo Combate Global no Univision Center em Miami, com crítica ao embate:

 

Fiquei doente de ver um veterano de combate das forças especiais do sexo masculino espancar uma mulher na TV – é hora de parar com a loucura do esporte trans antes que as mulheres comecem a ser mortas”.

 

O jornalista de 56 anos argumentou que Provost “não poderia competir com a força física avassaladora de seu oponente”.

 

Os socos de Provost ricochetearam em McLaughlin como um leãozinho em seu pai, e quando ela foi imobilizada no chão, ela não conseguia se mover e bateu rapidamente”, descreveu.

 

“Nada justifica”

 

Ele continuou dizendo que suas críticas à luta não significam que ele não tenha empatia com o fato de que a mãe de McLaughlin o deserdou quando ele passou por uma transição de gênero.

 

Em uma entrevista para o The Guardian, McLaughlin descreve como cresceu pobre na Carolina do Sul, sendo estuprado com apenas 5 anos pelos filhos de um fazendeiro e como sua família o forçou a programas de “conversão“.

 

Morgan chamou a educação de McLaughlin de cruel e “terrivelmente preconceituosa“, mas afirmou que “Independentemente de seu histórico militar ou lutas pessoais enquanto crescia, nada disso justifica o que aconteceu na noite de sexta-feira.”

 

Achei o ataque repugnante de assistir”, escreveu Morgan. “Ficou óbvio muito rapidamente que McLaughlin era muito forte, e igualmente óbvio que essa força veio dos 33 anos que ela passou como homem biológico.”

 

Tratamento hormonal

 

Morgan chamou a atenção para o tratamento hormonal restritivo que as autoridades esportivas fazem com que alguns atletas biologicamente masculinos com identificação trans tomem antes de competir em esportes femininos.

 

Ele disse que os tratamentos “não reduzem a densidade ou força muscular”, o que ele diz criar “injustiça” em todos os esportes. Mas em um esporte de combate como o MMA, ele argumenta que isso pode criar uma “disparidade potencialmente mortal“.

 

O britânico afirmou que, embora tenha sido classificado pelos críticos de sua postura como “transfóbico” ou “causador do medo”, ele não é nenhum dos dois.

 

Sempre apoiei os direitos trans à justiça e igualdade”, insistiu Morgan.

 

McLaughlin é a segunda pessoa identificada como trans a competir no MMA feminino. Morgan disse que viu “a injustiça se manifestar com o primeiro lutador transgênero de MMA, Fallon Fox, que serviu na Marinha dos Estados Unidos e depois fez a transição, se tornou um lutador de MMA e venceu todas as lutas, exceto uma”.

 

Em um deles, [Fox] fraturou o crânio de uma mulher”, ele continuou. “Temo que o pior está por vir.”

 

Após a vitória de sexta-feira, McLaughlin postou uma mensagem no Instagram para todos aqueles que criticaram a vitória.

 

Bom dia, amigos, apoiadores e outros! Estou recebendo muitas variações das mesmas mensagens desagradáveis, me chamando de trapaceiro, como se eu não tivesse sido espancado por uma rodada e meia”, escreveu o atleta.

 

Vocês precisam mostrar algum respeito a Celine e levar sua preocupação para outro lugar. Ela quase me derrotou mais de uma vez, e nos scorecards, ela definitivamente venceu o primeiro round. Este é o único post que farei sobre isso. Os transfóbicos estão apenas tornando minha mão de bloqueio mais forte“, finalizou.

 

Após a luta, McLaughlin vestiu uma camiseta com os dizeres: “END TRANS GENOCIDE.”

 

Morgan terminou seu artigo afirmando que “o verdadeiro crime que está acontecendo aqui é contra o esporte feminino”.


FONTE: GUIAME / COM INFORMAÇÕES DO CHRISTIAN POST

SIGA AS REDES SOCIAIS DA RÁDIO EDUCADORA: INSTAGRAMFACEBOOK YOUTUBE.
PUBLICIDADE
Anderle Telhas e Acessórios