14/01/2022 12h00 - Atualizado em 14/01/2022 12h02

Aeroporto de Lontras deverá operar a noite com pousos e decolagens

No ano de 2021, entre o mês de março e o fim do mês de maio diversos serviços foram realizados

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
Foto: INFRACEA

Foto: INFRACEA

PUBLICIDADE
Delta Ativa

Falta pouco!” Foi essa a frase usada pelo Prefeito José Thomé de Rio do Sul, enquanto acompanhava equipes da ANAC, Grupo Especial de Inspeção de Voo da Força Aérea Brasileira realizando nesta quinta-feira (13) voo de inspeção no balizamento noturno implantado no Aeroporto Regional.

 

A obra realizada pela INFRACEA no Aeródromo Helmuth Baumgarten, chegou a sua etapa final. No ano de 2021, entre o mês de março e o fim do mês de maio diversos serviços foram realizados e, com a construção de uma subestação, a instalação de um gerador e a implementação de um farol rotativo, a obra aguardava apenas a fase documental, relativa à homologação do aeroporto, para ser totalmente entregue.

 

Originalmente intencionada pela Prefeitura de Rio do Sul, o aeródromo já possuía inscrição junto a ANAC (Agência Nacional da Aviação Civil), mas operava apenas no período diurno. Abriu-se uma licitação, portanto, para que também fosse possível operar durante a noite; a partir daí estipulou-se que certas mudanças teriam que ser executadas de forma que o aeroporto pudesse operar num período de 24 horas de maneira segura.

 

A INFRACEA venceu a licitação e elaborou os projetos do zero. Por causa das características das aeronaves que utilizavam o aeródromo, que envolviam o pouso e decolagem de planadores, definiu-se que o uso de balizamentos embutidos era a melhor solução para essa obra, o que acabou por ser ratificado pela ANAC nas reuniões que se seguiram ao longo do processo de elaboração.

 

Reuniões regulares foram feitas para que a Prefeitura de Rio do Sul pudesse acompanhar e fiscalizar o processo, de forma a garantir que tudo fosse entregue como o estipulado. Era importante que tudo fosse feito segundo a necessidade verificada, para que não houvesse restrições de voo pelos tipos de aeronave.

 

Foi definido então que a obra seria composta pela instalação de balizamentos noturnos embutidos, dois PAPI (Indicador de Percurso de Aproximação de Precisão), de uma biruta iluminada e com painel solar, um farol rotativo, painéis verticais iluminados, iluminação do pátio, de uma rede de dutos e de sistemas de alimentação elétrica primário e secundário (gerador e baterias).

 

O mais interessante da obra, porém, é que todo o sistema de balizamento pode ser acionado de maneira remota pelo piloto da aeronave com seu rádio VHF à bordo, sem a necessidade de um operador no solo. Estabelece-se uma frequência para o acionamento e o piloto, quando se aproxima da pista para fazer o pouso, usa a mesma frequência para acender os balizamentos, que ficam ligados por um período de 15 minutos. É claro, o balizamento automático não invalida a opção manual; se for necessário, ainda é possível solicitar que um funcionário no local faça a ativação do modo padrão.

 

No geral, esta é uma obra que deve trazer uma série de melhorias para o aeroporto e para a região como um todo. Num contexto de pandemia, poder operar em H24 (durante 24 horas), todos os dias da semana, é um benefício inestimável para a entrega de vacinas e movimentação de possíveis pacientes. Mas fora desse cenário, essas melhorias também beneficiam a economia, uma vez que a região detém grandes empresários que passam a poder utilizar o modal aéreo com maior flexibilidade, além também das aeronaves com pacientes (UTI Aérea), de segurança pública, bombeiros, transporte de valores e de toda a aviação geral, além, é claro, da aviação comercial.

 

É preciso lembrar que os aeroportos são polos de emprego, e a extensão do horário de operação pode facilmente se converter em mais cargos necessários no aeródromo, além dos serviços e comércios subjacentes. Um terminal aeroportuário é fator importante para a economia e toda a região.

 

Acredito que essa foi uma obra pioneira no Brasil, é a primeira com todos os balizamentos embutidos”, disse Luciano Vicente, Diretor Técnico da INFRACEA, ao falar sobre os desafios da obra, a qual envolveu diferentes etapas como: levantamento topográfico, adaptação do projeto à realidade do aeroporto e a operação de suas aeronaves, distância e potência dos balizamentos, diâmetro do condutor e dos eletrodutos, as caixas de passagem ou abrigos metálicos, potência do gerador e subestação, sistema de proteção elétrico e do balizamento implantado.

 

No fim, averiguou-se o bom funcionamento de todos os elementos, e agora espera-se apenas a etapa final de homologação para que o aeroporto possa operar definitivamente não só no período diurno, mas noturno também. O futuro das obras em Rio do Sul é animador, além do que já foi feito, o aeroporto pode vir a receber um terminal de passageiros, deixando-o ainda mais completo.

 

Aeroporto de Lontras (Foto: Google Maps)

Quem é a INFRACEA?

 

A INFRACEA é a administradora do Aeroporto de Mossoró (RN), Caruaru (PE), Serra Talhada (PE), Guanambi (BA), Paracatu (MG), Lages, Forquilhinha e Correia Pinto. Uma empresa de apaixonados por aviação, com anos de experiência e expertise em diversos segmentos do setor. Somos especializados em Operação Aeroportuária, Administração, Certificação Operacional, NESO, AISO, Projetos (civis e operacionais), Manuais, Planos, Programas, Controle de Tráfego Aéreo e Capacitação. Desde janeiro de 2013, a INFRACEA está no mercado atendendo à Industria Aeroportuária com excelência.

 

Nascemos junto ao cenário de ampliação de concessões dos aeroportos brasileiros, e deste então nos orgulhamos de a cada dia podermos desenvolver soluções que nos elevam como profissionais. Além dos 8 terminais aeroportuários mencionados, a INFRACEA possui bases operacionais, com prestação de serviços contínuos, em 20 cidades do Brasil, 10 estados distribuídos em 4 regiões geográficas. Como principais clientes destacam-se concessionárias com presença multinacional e grandes aeroporto brasileiros. A sede da empresa fica no Distrito Federal, a poucos minutos de distância do Aeroporto Internacional de Brasília, Juscelino Kubitschek. Destacamos também a prestação de serviço realizada em todo território nacional.

 

A INFRACEA contribui com seu profissionalismo e experiência nas 5 regiões Brasileiras, por meio de contratos diversos, em mais de 50 cidades, atuando com serviços desde grandes obras; projetos e planos aeroportuários; certificação operacional, homologação e processos ANAC/COMAER de aeródromos; Elaboração de processos para autorização de obras (OPEA/PBZPA), consultorias; serviços de Segurança da Aviação Civil (AVSEC), Segurança Operacional (SGSO); manutenção, implantação e operação de auxílios à navegação aérea; operação de órgãos de controle de tráfego aéreo; operação de diversos serviços em aeroportos internacionais, regionais e privados; cursos e capacitações dentre outros.

 

Fonte: Com informações INFRACEA
PUBLICIDADE
Anderle Telhas e Acessórios