Rui Car
16/11/2022 13h55 - Atualizado em 16/11/2022 13h58

Caso Vanisse vai a julgamento em Rio do Sul em meio a mistério e perguntas sem resposta

Marido será julgado pelo assassinato da esposa em Agronômica, mas localização do corpo ainda é mistério

Assistência Familiar Alto Vale
Foto: Arquivo / Divulgação

Foto: Arquivo / Divulgação

Delta Ativa

O júri popular do marido de Vanisse Venturi, mulher morta no Alto Vale em 2020, ocorre nesta quinta-feira (17) em Rio do Sul. O homem é acusado de ter matado a companheira em julho daquele ano, na cidade de Agronômica. O caso chega a julgamento com uma pergunta sem resposta: onde está o corpo da mulher, até hoje não localizado apesar das buscas, inclusive com cães farejadores?

 

O julgamento deve começar às 8 horas e se estender ao longo do dia, no Fórum de Rio do Sul.

 

O marido da vítima, Isonir Venturi, responde por homicídio qualificado por motivo torpe e feminicídio, além de ocultação de cadáver. Já Isael Venturi, irmão do réu e cunhado da vítima, será julgado por ajudar a esconder o corpo da mulher. Os dois negam os crimes.

 

Para o Ministério Público, o homem matou a esposa porque não queria dividir os bens durante o divórcio. Ele foi preso em junho de 2021. A investigação aponta que Vanisse foi morta depois das 18h de 22 de julho de 2020 no galpão da família, ao lado da casa onde o casal vivia com os dois filhos. O corpo teria sido ocultado pelo irmão de Isonir.

 

Foto: Divulgação / CBMSC

 

Crime cercado de mistério

 

As apurações dão conta de que o crime aconteceu momentos depois de o homem receber uma mensagem da advogada da esposa. Um vizinho viu os dois indo para o galpão por volta das 18 horas e, meia hora depois, só o homem deixou o local. O tênis que ela teria usado quando ia ao galpão foi encontrado pela polícia na casa da família, conforme o Ministério Público.

 

De acordo com as investigações, o marido recebeu a visita do cunhado, irmão da vítima, por volta das 19h20min, e disse que a esposa não estava em casa. Depois, diferentemente da rotina da família, ainda preparou o jantar para os filhos, alegando que a mãe estava no quarto, com a porta chaveada, por causa de uma suposta dor de cabeça.

 

Perto das 22 horas, sem saber que era observado pelo filho mais novo, de 12 anos, o homem pegou uma lanterna e saiu da casa. Em seguida, foi visto por um vizinho entrando novamente no galpão. O objetivo, de acordo com a denúncia do Ministério Público, seria preparar o corpo e deixá-lo acessível ao irmão, que se encarregaria de ocultá-lo na madrugada.

 

O cunhado de Vanisse chegou a ficar preso por 30 dias. Isael deixou a prisão em março deste ano. Ele nega que tenha estado na casa naquela noite, mas o promotor afirma ter evidências concretas de que o homem estava na região. As mensagens trocadas entre ele e o irmão por aplicativo de mensagens foram todas apagadas antes da perícia da polícia.

 

A reportagem tentou contato com a defesa de Isonir e Isael Venturi, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria. O espaço para o contraponto segue aberto.

 

Fonte: Talita Catie / Jornal de Santa Catarina / NSC Total
Anderle Telhas e Acessórios