Rui Car
04/01/2023 16h18

Ministros de Lula votaram a favor do impeachment de Dilma e do teto de gastos

Simone Tebet, André de Paula e Juscelino Filho foram favoráveis ao impedimento da petista e à limitação dos gastos públicos

Assistência Familiar Alto Vale
Foto: Arquivo / Divulgação

Foto: Arquivo / Divulgação

Delta Ativa

Ao menos quatro ministros do terceiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foram favoráveis ao impeachment de Dilma Rousseff (PT), em 2016. À época, André de Paula, agora titular da Pesca e Aquicultura, e Juscelino Filho, chefe da pasta das Comunicações, eram deputadoes federais e votaram a favor do impedimento da petista.

 

Simone Tebet, atual ministra do Planejamento e Orçamento, era senadora e também concordou com a deposição de Dilma.

 

Carlos Fávaro, titular da Agricultura e Pecuária, era vice-governador de Mato Grosso à época da votação do impeachment, mas participou de manifestações populares pelo impedimento de Dilma, inclusive com postagens nas redes sociais.

 

Carlos Fávaro, hoje ministro de Lula, em manifestação pelo impeachment de Dilma

Foto: Reprodução / Instagram

 

Os três ministros que eram do Congresso Nacional em 2016 — Simone Tebet, André de Paula e Juscelino Filho — também votaram, em 2016, a favor do teto de gastos, modificado por Lula ainda na fase de transição do novo governo por meio da PEC (proposta de emenda à Constituição) do estouro, que tem a finalidade de bancar promessas de campanha como o Bolsa Família a R$ 600 mais R$ 150 para cada criança de até 6 anos das famílias beneficiárias.

 

Pronunciamentos

 

Entre os parlamentares que hoje são ministros de Lula e que votaram pelo impeachment de Dilma, as justificativas para o ato concentravam-se em princípios morais. Durante seu voto, André de Paula destacou “a ética e a decência” na política.

 

Juscelino Filho atribuiu a posição a “um futuro melhor para o nosso Brasil“, enquanto Tebet citou “consequências nefastas a esta e às futuras gerações que pagarão esta conta, fruto dessa irresponsabilidade fiscal, por todo o mal que causou e está causando à população brasileira” e à “esperança de melhores dias“.

 

Críticas

 

Em 2016, em reação à deposição de Dilma Rousseff, aliados da então presidente e de Lula chamaram de golpe o processo que institutiu Michel Temer (MDB) como presidente.

 

Na mesma linha, os apoiadores dos petistas, inclusive de movimentos sociais, classificaram a medida que limitava os gastos públicos de “PEC do fim do mundo” e “da morte”.

 

 
Fonte: Ana Isabel Mansur / R7
Anuncie Aqui