Rui Car
02/11/2022 10h37 - Atualizado em 02/11/2022 10h38

SC estima prejuízos de R$ 36 milhões com rodovias bloqueadas

Paralisação tem reflexos imensos no agronegócio catarinense, em especial na produção de suínos e aves

Assistência Familiar Alto Vale
Foto: Arquivo / Jonas Oliveira / ANPr

Foto: Arquivo / Jonas Oliveira / ANPr

Delta Ativa

Com rodovias bloqueadas, o Governo de Santa Catarina estima um prejuízo diário no setor de suínos e aves da ordem de R$ 36 milhões. O agronegócio catarinense, em especial a indústria da proteína animal, tem uma cadeia produtiva extensa e que trabalha em um ritmo constante, sendo portanto muito afetada com a paralisação do transporte.

 

Suinocultura

 

Santa Catarina é o maior produtor e exportador de carne suína do Brasil, sendo responsável  por 53,37% das receitas e 51,34% da quantidade embarcada em 2021, exportando para 70 países.

 

A cadeia catarinense de suinocultura abate 40 mil animais por dia e cada dia parado corresponde a um prejuízo de R$ 26,8 milhões na produção de suínos.

 

Avicultura

 

O Estado também é o segundo maior produtor e exportador de carne de frango do Brasil e responde por 24,55% das receitas brasileiras com a proteína. Em 2021, a carne de frango catarinense foi exportada para 129 países.

 

Em Santa Catarina são abatidas 2,3 milhões de aves por dia. Nesta cadeia, o prejuízo por dia parado é de R$ 10 milhões.

 

Segundo o governo do Estado, em situações de represamento de suínos e aves no campo, os animais precisam ser sacrificados na propriedade, o que pode trazer prejuízos ao meio ambiente, à saúde pública, à sanidade e ao bem estar animal.

 

Insumos

 

A logística dos insumos de ração animal de Santa Catarina funcionam no sistema just in time, ou seja, a armazenagem no local de consumo é pensada a partir da demanda diária.

 

Em média, o Estado possui estoque de milho e farelo de soja para três dias. Caso não seja regularizada a logística, é iniciado o racionamento de alimentos no complexo de proteína animal.

 

Em situações de falta de alimentação, o bem estar animal é comprometido, podendo levar ao canibalismo, inanição e consequente morte.

 

Prioridades do setor

 

Desde terça-feira (1º), o foco das ações da Secretaria da Agricultura e do setor produtivo será garantir a alimentação animal.

 

A pasta também vai reforçar as medidas de bem estar, além de cumprir os protocolos estabelecidos em conjunto à Cidasc e ao setor produtivo.

 

A recomendação do corpo técnico da Cidasc e da Secretaria de Agricultura aos produtores é que, neste momento, evitem transitar em rodovias com cargas de animais, pelo risco de privação de água, alimentos e exaustão, o que em casos extremos poderia levar à mortalidade.

 

Fonte: ND+
Anderle Telhas e Acessórios