29/11/2021 16h51 - Atualizado em 29/11/2021 16h53

SC tem melhor índice de qualidade de vida entre estados, aponta pesquisa do IBGE

Desempenho socioeconômico do estado também foi maior que a média nacional; dados são referentes a 2017 e 2018

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
PUBLICIDADE
Delta Ativa

Santa Catarina foi o Estado que menos sofreu perda de qualidade de vida entre os 27 Estados do Brasil e o Distrito Federal. É o que aponta uma pesquisa divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta sexta-feira (26).

 

Os novos indicadores do IPQV (Índice de Perda de Qualidade de Vida) seguem recomendações das nações unidas e utiliza uma série de variáveis da POF (Pesquisa de Orçamentos Familiares) 2017-2018. Os valores vão de 0 a 1, sendo que, quanto mais perto de zero, menor a perda.

 

O valor do IPQV é dado pela média das perdas acumuladas individuais. No Brasil essa média foi de 0,158 entre 2017 e 2018 e o Estado com a menor perda de qualidade de vida foi Santa Catarina, com o IPQV de 0,100.

 

Contudo, por ter uma renda inferior ao de outros Estados, sua posição avaliada pelo progresso econômico é a quarta maior, com o valor de R$1.765,16.

 

Já o Maranhão foi o Estado com o maior IPQV, 0,260, o que significa que ele reúne a maior perda na qualidade de vida do Brasil.

 

As regiões Sul (0,115) e Sudeste (0,127) tiveram um IPQV melhor que o nacional. Já Norte (0,225) e Nordeste (0,209) mostraram índices piores.

 

Perfis da pesquisa

 

Na área rural (IPQV de 0,246), a perda era 1,5 vez maior do que a média nacional e 1,7 vez maior que na área urbana (IPQV de 0,143). Cerca de 15% dos brasileiros viviam em área rural e essa parcela da população contribuiu com quase um quarto do valor do IPQV Brasil.

 

Famílias cuja pessoa de referência era homem apresentaram menor perda de qualidade de vida, com um IPQV de 0,151, contra 0,169 nas famílias lideradas por mulheres.

 

E nas famílias com a pessoa de referência preta ou parda (0,185), a perda de qualidade de vida era 17% maior do que a média nacional e 50% maior do que aquelas com a pessoa de referência branca (0,123).

 

A faixa com menor perda individual de qualidade de vida concentrava 13,7% da população e a faixa com mais perdas, 10,3%. A maior parte dos brasileiros se encontra na zona intermediária de perdas acumuladas de qualidade de vida.

 

Índice de desempenho socioeconômico

 

A pesquisa também traz os resultados do IDS (Índice de Desempenho Socioeconômico). O índice combina a capacidade de geração de recursos e a qualidade de vida da sociedade.

 

Os maiores valores do IDS foram do Distrito Federal (6,970) e de São Paulo (6,869). Santa Catarina ficou na terceira colocação (6,826).

 

Índice de desempenho socioeconômico – Foto: IBGE/Divulgação/ND

Fonte: ND+
PUBLICIDADE
Anderle Telhas e Acessórios