10/09/2021 10h25

Orquestra Sinfônica de SC volta ao palco com público neste sábado (11)

Após um ano e sete meses, a Orquestra volta a tocar e interpreta Beethoven em espetáculo online e para público restrito em São José

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
Crianças do ensino fundamental da rede pública de São José acompanham ensaios antes do retorno (Foto: Leo Munhoz)

Crianças do ensino fundamental da rede pública de São José acompanham ensaios antes do retorno (Foto: Leo Munhoz)

PUBLICIDADE
Delta Ativa

RECEBA NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

CLIQUE AQUI

 

Desde 18 de fevereiro de 2020, os músicos da Ossca (Orquestra Sinfônica de Santa Catarina) não sobem ao palco para fazer o que mais amam: tocar música erudita e interpretar os clássicos de gênios da quarta arte. Neste sábado, 11 de setembro, eles voltam a viver essa experiência, homenageando Beethoven.

 

E, graças a uma parceria da orquestra, com o município de São José, onde o espetáculo vai ocorrer, cerca de 150 alunos de um colégio público da cidade acompanham os últimos ensaios de perto.

 

Eles estudam no CEM (Centro Educacional Municipal) Antônio Francisco Machado, do bairro Forquilhinhas, e são alunos do 4º ao 6º ano. Os estudantes realizam o passeio até o local de ensaio da orquestra, sempre em grupos com aproximadamente 50 pessoas.

 

A ação ocorreu nesta quarta-feira (08), quinta-feira (09) e termina nesta sexta-feira (10), véspera do espetáculo que marca o retorno da Orquestra Sinfônica, às 20h, no teatro do Centro Multiuso de São José.

 

A professora de Português Simone de Abreu levou duas turmas do 6º ano, nesta quinta (09), ao ensaio da orquestra. Ela considera essa experiência fundamental para os alunos.

 

A cultura só vem a agregar. É fundamental para qualquer disciplina, qualquer educação”, diz a professora. Ela também acredita que o contato das crianças com a música pode tornar a vida mais leve, abrir portas para profissões artísticas e tirar os pequenos da ansiedade e da tristeza.

 

Ela conta, também, que os passeios escolares ficaram mais raros e os alunos “amaram” saber da visita ao ensaio da orquestra. “Pedi para eles falarem, depois, o que mais gostaram no passeio e para fazerem um desenho do instrumento que mais gostaram”, relata Simone, que veio com 15 alunos de cada turma.

 

A professora Jussara da Silva trouxe alunos do 4º ano. Ela também considera benéfica a vinda dos estudantes ao ensaio, pela dimensão que a música tem na vida das pessoas: “para as crianças ainda mais, porque desconhecem esse universo, passam a conhecer e se interessar por fazer a música”, diz Jussara.

 

Instrumentista começou a tocar aos seis anos

 

A violinista Cristiane Barbosa, de 15 anos, entrou na Ossca em 2017 e se tornou musicista por estímulo dos pais e influência da irmã mais velha, Juciane, que tem 22 anos e também toca violino.

 

Artista da Ossca

Cristiane Barbosa tem 15 anos e se aproximou do violino aos seis (Foto: Leo Munhoz)

Estudante do Colégio Militar, Cristiane tem pouca idade, mas rotina de gente grande. Ensaia nas quartas-feiras à noite com a orquestra do IFSC (Instituto Federal de Santa Catarina). Nas manhãs de segunda, terça e quinta-feira ensaia na Ossca, em São José, e ao meio-dia entra no colégio, na Trindade, em Florianópolis.

 

Quando era menor, não brincava com outras coisas, o que eu fazia era tocar violino. Gosto muito”, conta Cristiane, que iniciou na música aos seis anos. “É importante ter contato desde cedo, porque você aprende e é algo que leva para a vida. Pode ser tanto uma profissão, quanto uma diversão mesmo”, acredita a jovem.

 

Contato pode despertar aptidões

 

Maestro e diretor artístico da Ossca, José Nilo Valle ressalta que a orquestra busca fazer essa aproximação com os mais jovens – o encontro com a sinfônica – desde o início dos anos 2000, para formar novos talentos e aumentar o interesse dos pequenos por música.

 

No intervalo dos ensaios acompanhados pelos alunos, o maestro e alguns músicos conversam com os estudantes. Nilo Valle perguntou se eles conheciam Beethoven e alguns poucos levantaram as mãos. Mas quando o maestro cantarolou trecho da sinfonia nº 5 – tan, tan, tannn, tannnnn – foi o momento de maior euforia das crianças.

 

Na sua abordagem aos alunos, o maestro falou dos instrumentos usados na orquestra e mais sobre o artista alemão, nascido em 16 de dezembro de 1770.

 

Dessas crianças que estão aqui, com a oportunidade de olhar a orquestra e conhecer os instrumentos, dentro de um universo de 30, 40, de repente, dois ou três vão querer estudar música e pedir um violino, ou uma flauta para os pais”, pondera Nilo Valle.

 

De acordo com o maestro, a orquestra está pronta para a apresentação de sábado: “Estamos muito felizes de fazer esse Beethoven 250 anos, que é uma homenagem a esse grande mestre, um símbolo, um cérebro, um gênio da música”, enfatiza o maestro.

 

O espetáculo que homenageia os 250 anos de Beethoven estava programado para 2020, ano que marcava a data, e foi viabilizado com recursos da Lei Rouanet. Executado por 47 músicos, tem no solo ao piano, o uruguaio Peter Dominguez. A apresentação será para 260 pessoas.

 

Os ingressos foram distribuídos gratuitamente, para quem completou o esquema vacinal da Covid-19, e esgotaram rapidamente. Um belo sinal de que os catarinenses sentem falta dos espetáculos artísticos. Quem não garantiu lugar na plateia pode ver a apresentação ao vivo, pelo site da Ossca.


POR: NICOLAS HORÁCIO – ND+

SIGA AS REDES SOCIAIS DA RÁDIO EDUCADORA: INSTAGRAMFACEBOOK YOUTUBE
PUBLICIDADE
Anderle Telhas e Acessórios