13/01/2022 14h32 - Atualizado em 14/01/2022 08h15

Vídeo: Taioense precisa de sua ajuda para realizar cirurgia

Saiba como contribuir

PUBLICIDADE
Assistência Familiar Alto Vale
PUBLICIDADE
Delta Ativa

Nos últimos cinco anos, o número de cirurgias de redução de estômago aumentou quase 90% no Brasil e agora, não há mais limite de idade para operar pelo SUS e pacientes com 16 anos também podem fazer a operação deve ser o último recurso contra a obesidade.

 

Segundo os médicos, o paciente deve tentar primeiro perder peso através da mudança de hábitos alimentares e exercícios físicos por, pelo menos, 2 anos. Caso não consiga, ele deve ir ao médico para avaliar se tem os requisitos para fazer a cirurgia, como o Índice de Massa Corporal acima de 40 ou acima de 35, com problemas associados – diabetes, hipertensão e colesterol, por exemplo.

 

A cirurgia bariátrica é um procedimento indicado para tratar casos de obesidade grave*. Ela ficou conhecida como “redução do estômago” porque muda a forma original do órgão e reduz sua capacidade de receber alimentos, dificultando a absorção de um número exagerado de calorias.

 

Uma pessoa não operada tem espaço para consumir aproximadamente de 1 litro a 1,5 litro de alimentos. Já um estômago pós-bariátrica tem capacidade para 25 ml a 200 ml (equivalente a um copo americano). A cirurgia afeta ainda a produção do hormônio da saciedade, o que diminui a vontade de comer, mas a redução da capacidade é a principal responsável pelo emagrecimento.

 

A cirurgia bariátrica é recomendada para indivíduos obesos com Índice de Massa Corporal (IMC) acima de 40.

 

Em Taió, na localidade de Ribeirão da Erva, a moradora Leonilda Loch de 40 anos, sofre diariamente com a falta de mobilidade em função do seu peso, hoje Leonilda está cm 178,400 Kg.

 

As tarefas diárias como lavar louça, fazer almoço, lavar roupas, são desempenhadas por ela mas sempre sentada, pois tem artrose e sente dores e dificuldade de ficar por certo períodos de tempo de pé.

 

Leonilda mora hoje no interior de Taió com o marido e dois filhos, um menino de 14 anos e uma menina de 2 anos.

 

Segundo ela, após o nascimento da sua filha a dois anos, ela teve depressão pós parto e consequentemente seu peso ia aumentando dia após dia. Sofre com artrose na coluna e afirma ter uma difícil qualidade de vida.

 

Leonilda procurou ajuda através da secretaria de Saúde onde passou por nutricionista e psicóloga, mas segundo ela seria necessário um acompanhamento de 2 anos para então uma possível cirurgia através do SUS.

 

Após muita procura Leonilda foi informada que o Hospital Angelina Caron, é um centro médico hospitalar de referência no sul do país, localizado na cidade de Campina Grande do Sul, Região Metropolitana de Curitiba (PR) é uma unidade que pode realizar este procedimento cirúrgico de forma particular, de forma rápida sem necessidade de aguardar este período de 2 anos.

 

A comunidade de Ribeirão da Erva, conhecendo e sabendo das dificuldades de Leonilda decidiram realizar uma ação entre amigos juntamente com uma pastelada para levantar recursos para a cirurgia que custará aproximadamente 20,000,00.

 

O evento acontecerá no dia 26 de Fevereiro de 2022 no Salão da Capela São Pedro de Ribeirão da Erva a partir das 17 horas.

 

Cada rifa custa 10 reais e conta com 18 prêmios. Na compra de cada rifa virá acompanhado de um pastel.

 

Leonilda conta com sua ajuda!

 

Fonte: Rádio Educadora 90,3 FM
PUBLICIDADE
Anderle Telhas e Acessórios